São João Bosco: um precursor do ensino profissionalizante

30 Março 2021

São João Bosco (1815-1888) (Foto: Daily Compass)

Armando Alexandre dos Santos (*)

São João Bosco (1815-1888), mais conhecido, à moda italiana, como Dom Bosco, foi um verdadeiro amigo da juventude, à qual consagrou o melhor de sua existência. Dotado de carismas extraordinários, desenvolveu um sistema pedagógico inovador e conseguiu reunir em torno de si um prodigioso movimento de apostolado. Tinha frequentes sonhos de caráter sobrenatural, nos quais recebia luzes sobre o estado de alma de seus alunos e sobre acontecimentos do seu tempo e futuros. Embora sem recursos econômicos, com força de vontade e, sobretudo, com uma inabalável confiança em Maria Auxiliadora, conseguiu executar projetos apostólicos grandiosos em várias nações. Fundou duas congregações religiosas e grande número de colégios, para a educação de meninos pobres. Foi precursor do ensino profissionalizante, modelo que depois se generalizou em vários países.

No início do século XIX, o processo de industrialização da Europa atraía para os maiores centros urbanos muitas famílias provenientes do meio rural. Ali, desenraizadas e sem formação religiosa e cultural adequada, viviam em condições precárias. Os homens trabalhavam em fábricas, com turnos de trabalho pesadíssimos, e muitas vezes gastavam em bebidas, nas tabernas, boa parte do que ganhavam. As mulheres cuidavam como podiam das casas e dos filhos menores, enquanto os mais crescidos, sem escolas nem formação adequada, andavam pelas ruas, aprendendo o que não deviam. O resultado é que assim se constituía o caldo de cultura ideal para desajustes sociais e vícios de todos os tipos. A criminalidade era crescente e tendia a escapar ao controle das autoridades.

Esse o quadro geral das cidades maiores e mais industrializadas. Em Turim, capital do Reino do Piemonte, no Norte da Itália, era o que presenciava o jovem sacerdote João Bosco. As ruas viviam cheias de meninos de rua, abandonados e entregues ao léu. Para esses meninos, Dom Bosco passou a proporcionar boa formação religiosa, cultural e profissionalizante. Reunia-os em grandes concentrações, denominadas “oratórios”, e ali lhes ministrava aulas de formação, ao mesmo tempo que jogos e diversões. Daqueles candidatos a futuros marginais, conseguia extrair todo o potencial humano que possuíam. Deles fazia ótimos pais de família, trabalhadores honestos e eficientes e encaminhava os mais dotados para os estudos superiores e as profissões liberais. Entre eles, também recrutava seminaristas e futuros sacerdotes.

A obra começou modesta e foi, pouco a pouco, crescendo e assumindo vulto grandioso. Sofreu perseguições políticas, teve em seu encalço invejosos, mas a tudo venceu. Os últimos anos da vida foram cercados de respeito e consideração gerais, pois sua fama havia ultrapassado muito os limites do Piemonte. Embora visasse, acima de tudo, o trabalho apostólico de formação da juventude, acabou exercendo enorme influência na vida social e política da época e chegou a ser conselheiro de reis, de homens públicos e de papas.

Foi apóstolo da boa imprensa, tendo escrito mais de 140 livros e opúsculos, e chegando a constituir uma editora pujante e até a fundar uma fábrica de papel. Seus livros – em geral escritos com vistas à formação da juventude – atingiam tiragens espantosas, mesmo para os padrões de hoje. Pouca gente sabe que a fama e a influência de Dom Bosco atravessaram o Atlântico e chegaram ao Brasil, atraindo a atenção da Princesa D. Isabel de Bragança, regente do Império, na ausência de seu pai, o Imperador D. Pedro II.

Determinada a abolir a escravidão, a Princesa preocupava-se com o futuro dos escravos, depois de libertos. Temia que, abandonados pelos antigos senhores, vivessem sem eira nem beira, em condições precárias, formalmente livres, mas de fato presos a um sistema que lhes impedisse o acesso a condições melhores de existência.

A Princesa tinha uma visão muito lúcida desse problema. Compreendeu que somente a formação profissionalizante, novidade que Dom Bosco havia lançado no Norte da Itália, poderia ser adequada para assegurar, aos libertos do cativeiro, uma adequada inserção na sociedade brasileira. E escreveu a Dom Bosco, pedindo que mandasse missionários para o Brasil e oferecendo-se para ajudar. Houve uma troca de cartas entre o santo italiano e a princesa brasileira. E efetivamente, em 1883, chegaram ao Brasil os primeiros missionários salesianos, instalando-se em Niterói, em terreno conseguido pela herdeira do Trono. Tinha assim início a grandiosa obra educadora e missionária dos filhos espirituais de Dom Bosco no Brasil.

Dois anos depois, em 1885, fundaram eles o Liceu Sagrado Coração de Jesus, na capital paulista, e em 1892 deram início a uma nova fundação, em Campinas. Em Piracicaba, foi somente em 1950 que chegaram, por iniciativa do Bispo D. Ernesto de Paula.

Infelizmente, a proclamação da República impediu D. Isabel de realizar os grandiosos projetos que tinha concebido. A Lei Áurea não teve o desenvolvimento natural, que seria a integração dos ex-escravos na sociedade brasileira, na posição de dignidade a que faziam jus. A realização plena da obra redentora da Princesa foi abortada no fatídico dia 15 de novembro de 1889.

Transcrevo a seguir, como curiosidade, uma das cartas de São João Bosco à Princesa Isabel, datada de Turim, 25 de março de 1886:

«Alteza Imperial. A Divina Providência dispôs que se abrissem duas casas Salesianas no Império do Brasil: uma em Niterói, e outra em São Paulo, ambas consagradas a acolher meninos pobres e abandonados. Alguns dos nossos religiosos que aí trabalham e vieram por algumas semanas à Itália me falaram muito da bondade e da caridade de Vossa Alteza Imperial, e por isso me creio no dever de lhe apresentar os meus agradecimentos e recomendar a V. A., e a Sua Majestade o Imperador, todos os Salesianos, que não desejam outra coisa senão salvar almas para o Céu e diminuir na terra o número dos maus elementos. Eles rezam e recomendam a seus meninos que rezem pela saúde e bem-estar de V. A., de Sua Majestade e toda a Família Imperial. Maria Santíssima proteja a toda a dinastia, pela qual todos os nossos meninos rezam. Quanto a mim, tenho como dever invocar todos os dias na Santa Missa as bênçãos celestes sobre todos os súditos brasileiros. E tenho também a alta honra de me professar humildemente, obrigadíssimo servidor.» a) Pe. João Bosco” (Carta publicada em Biografía y escritos de San Juan Bosco, do Pe. Rodolfo Fierro S.D.B. Madri: BAC, 1955).


(*) ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

  • NR: Esta matéria foi escrita em genuíno e correcto português do Brasil, não devendo, portanto, confundir-se com uma aplicação das «regras» do chamado «Acordo Ortográfico», o qual é categoricamente rejeitado pela nossa Redacção.

Ultimos artigos

Condecorado por terrorismo

Condecorado por terrorismo

Até 1974, o 10 de Junho era uma data para honrar a Nação e os seus heróis. Depois do 25 de Abril, subverteu-se-lhe o sentido e as suas comemorações passaram a ser usadas para glorificar os figurões da esquerda. Este foi um dos «legados» do Presidente Jorge Sampaio.

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This