São Bernardino de Siena: «A maldita sodomia»

27 Outubro 2020

Portrait of Bernardino of Siena by Sano di Pietro (1406-1481) Italian painter of the Sienese school of painting. Dated 15th Century (Photo by: Universal History Archive/Universal Images Group via Getty Images)

Assim se refere São Bernardino de Siena (1380-1444) à aberração da homossexualidade (sodomia), consistente e paradoxalmente apoiada pelo Papa Francisco desde o início do seu pontificado: 

A maldita sodomia sempre foi detestada por todos os que vivem de acordo com Deus. Nenhum pecado no mundo prende tanto a alma. Agitada por uma ânsia insaciável de prazer, a pessoa não obedece à razão, e sim ao delírio, pois a paixão desviada é próxima à loucura.  

Esse vício transtorna o intelecto, destrói a elevação e generosidade da alma, rebaixa a mente dos grandes pensamentos para os mais baixos, torna a pessoa preguiçosa, irascível, obstinada e endurecida, servil e relaxada, incapaz de qualquer coisa.  

Os seus adeptos tornam-se cegos, e enquanto os seus pensamentos deveriam elevar-se para coisas altas e grandes, são despedaçados e reduzidos a coisas vis, inúteis e pútridas, que nunca podem torná-los felizes.  

Da mesma forma que as pessoas virtuosas participam na glória de Deus em diversos graus, também no inferno alguns sofrem mais que outros. Quem viveu com esse vício da sodomia sofre mais do que os outros, pois este é o maior pecado. 

São Bernardino de Siena (monge franciscano) in ‘Le Prediche Volgari’. Edit. Rizzoli, Milão, 1936. Sermão XXXIX, p. 869, ff. 915. 

Fonte: https://apostoladoracao.wixsite.com/paroquiadecolares/post/2017/07/20/s-c3-83o-bernardino-de-siena-a-maldita-sodomia 

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This