Povo, massa, verdadeira e falsa popularidade

23 Outubro 2023

José Carlos Sepúlveda da Fonseca [Vídeo]

Decorreram recentemente as eleições na Argentina e no Equador. Naquele país haverá segundo turno a 19 de Novembro, com disputa entre os candidatos da esquerda e do centro-direita. No Equador venceu Daniel Noboa, depois de uma campanha marcada pela violência e pelo assassinato de um candidato (Fernando Villavicencio, jornalista investigador), morto com tiros na cabeça ao sair de um comício.

As eleições são acontecimentos que mexem profundamente com a opinião pública e que revelam muita coisa sobre o fenómeno da popularidade autêntica, da «popularidade» fabricada ou mesmo da impopularidade dos candidatos.

As chamadas «democracias» modernas tornam-se muitas vezes numa forma de poder exercido por aproveitadores que, por meio da força, do dinheiro ou da organização, asseguram uma posição de vantagem em relação à sociedade.

O Papa Pio XII, numa das suas célebres alocuções distinguiu muito bem povo e massa. Disse ele que «Povo e multidão amorfa ou, como se costuma dizer, “massa”, são dois conceitos diversos. O povo vive e move-se por vida própria; a massa é de si inerte e não pode mover-se senão por um agente externo. O povo vive da plenitude da vida dos homens que o compõem, cada um dos quais – no próprio lugar e do próprio modo – é uma pessoa consciente das próprias responsabilidades e das próprias convicções. A massa, pelo contrário, espera uma influência externa, é um brinquedo fácil  nas mãos de quem quer que jogue com os seus instintos ou impressões, pronta a seguir vez por vez, hoje esta, amanhã aquela bandeira.»

Não haverá pois, nas democracias modernas, nas eleições modernas mecanismos que levam as massas manipuladas a «escolher» quem vai controlar o poder?…

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This