Pierre Cardin: um homem que destruiu a moda

14 Abril 2021

Pierre Cardin: O famoso estilista italiano (que adquiriu nacionalidade francesa) dedicou a sua vida à Revolução Cultural e à subversão dos costumes através da moda. (Foto: «L’Officiel»)

John Horvat

Quando 2020 chegava ao fim, os jornais do mundo inteiro destacaram a morte de um homem importante. Não era político nem estadista e não fazia parte das academias nem do mundo dos negócios. A sua acção de modista limitava -se ao campo cultural.

No entanto, a sua influência impactou gerações, pois não poucos foram expostos ao seu trabalho. Trata-se do estilista italiano Pietro CardinPierre Cardin ao se naturalizar francês — que morreu no dia 29 de Dezembro de 2020, com 98 anos de idade.

Ícone da Revolução Cultural

Nos anos da década de 1960 iniciou-se uma intensa “revolução cultural” para mudar a sociedade de alto a baixo. A cultura passou a entrar na vida diária das pessoas e serviu para modificar ideias que, mais tarde, desabrocharam e passaram a ter consequências políticas.

Um ícone «cultural» como Pierre Cardin influenciou mais pessoas que os políticos. Com efeito, ele contribuiu fortemente para o declínio dos padrões morais.


Assim, a morte dele marcou o fim de uma longa carreira de demolição moral e dos valores cristãos. O seu labor subversivo abalou instituições, costumes e convenções sociais, pois trabalhou de mãos dadas com a Revolução da década de 1960. Introduziu o caos na moda, a feiura nos designs e a falta de modéstia nas roupas. O seu logótipo  estava em todos os tipos de mercadorias. Para ele nada era sagrado ou nada estava fora do seu alcance.

Passo a dar três razões pelas quais esse estilista de moda foi tão revolucionário e perverso.

Estilos de «vanguarda», em rompimento com a tradição

O seu estilo de «vanguarda» rompeu com todas as tradições. Por mais de sete décadas desenhou roupas que ultrapassaram os limites do aceitável. Apresentou, por exemplo, o seu «vestido bolha», um vestido em forma de bolha e saia curta, feito por corte enviesado sobre uma base rígida.


Fez experiências com materiais sintéticos como vinil, Dynel moldado a quente e plexiglas. A sua moda da «era espacial» também reflectia um visual futurista sem nenhuma ligação com o passado, que ele detestava. Certa vez afirmou: «As roupas que prefiro são aquelas que criei para uma vida que ainda não existe, para o mundo de amanhã».

Pierre Cardin criou vestidos de design estúpido, que ninguém usava mas que era necessário divulgar para revolucionar a moda e subverter os costumes.

Mais tarde, ele projectou trajes espaciais para a NASA e influenciou os uniformes de Star Trek na conhecida série de televisão. O seu desdém pela tradição reflectia-se na sua enorme e luxuosíssima «Bubble House», perto de Cannes, onde tinha 10 quartos de formas exóticas, decorados por artistas de mentalidade revolucionária.

Desenhos feios e igualitários apoiados pelo establishment

Em segundo lugar, o estilista produzia roupas e acessórios feios e de espírito igualitário. A moda deve acentuar as qualidades de um indivíduo. O valor transcendental da beleza deve ser o objecto desta forma de arte. No entanto, o trabalho de Cardin desconsiderou as qualidades do indivíduo ao ressaltar os produtos da sua imaginação bizarra, envolta indiferentemente sobre o corpo.

Assim, muitas vezes ele ignorou a forma do corpo, como também favoreceu configurações rígidas e quadradas. «O vestido é um vaso que segue o corpo», disse ele. «As minhas roupas são como módulos nos quais os corpos se movem.»


Avançou na moda unissex, rompendo com as distinções entre homem e mulher. Favoreceu formas geométricas e motivos desprovidos de significado. Para levar a cabo a sua revolução na moda, Cardin teve patrocínio e apoio dos mais altos níveis do establishment, que ele próprio procurou destruir.

Seleccionou cuidadosamente aqueles que poderiam assistir aos seus shows, mas o design das roupas que apresentava era para as «massas». Foi um dos primeiros a exibir o seu logótipo nas roupas que criava.

Mais tarde fez acordos com industriais para colocar a sua marca em grande número de bens de consumo, incluindo cosméticos, canetas, bonés, electrodomésticos e até cigarros. Chegou a dizer que colocaria o seu nome num rolo de papel higiénico, se tivesse oportunidade.

A prática poderia desvalorizar a sua marca, mas enchia o seu bolso. Foi contratado para projectar uniformes e outras roupas para governos, companhias aéreas e empresas diversas. Desenhou blazers sem lapela para os Beatles. A American Motors Corporation (AMC) contratou-o em 1972 para criar o interior do seu modelo Javelin, que usava tecidos ousados e bizarros, com padrões selvagens.

Todas essas práticas conduziram à destruição da moda, além de terem contribuído para o surgimento de formas e padrões excêntricos que caracterizam as passarelas de hoje.

A luxuosa «Bubble House» de Pierre Cardin reflectia bem a sua preferência pelo extravagante e a sua rejeição à ordem e à tradição que marcou a Civilização Ocidental. (Foto: «Random Whispers»)

Desprezo pela moral cristã

Por último, o estilo de vida e trabalho de Pierre Cardin reflectia o seu desprezo pela moral cristã. Como todos os estilistas da época, ele introduziu modas ousadas como a mini-saia, fatos de banho feminimos e as suas criações “mod chic”.

A sua vida pessoal acompanhou a imoralidade caótica da revolução sexual. Nos anos 60 ele teve um caso com a atriz Jeanne Moreau. Depois adoptou um longo relacionamento homossexual com o designer de moda francês André Oliver, falecido em 1993.

Em 2001 Cardin comprou e restaurou parcialmente as ruínas do castelo La Coste, na França, outrora habitado pelo marquês de Sade, cujas preferências sexuais perversas e escritos eróticos deram origem ao termo sadismo. Até hoje os tribunais franceses proíbem muitas das obras literárias desse aristocrata revolucionário.

A compra desse antigo castelo equivaleu à compra da ilha de Jeffrey Epstein nas Ilhas Virgens americanas no Caribe. Mesmo assim, Cardin utilizou o La Coste para festivais de música e dança de «vanguarda».

Um produto da pós-modernidade

O trabalho da vida de Pierre Cardin serviu para destruir a moda pela introdução de temas caóticos, irracionais, bizarros e indecentes nas suas linhas de costura. Foi um produto do pensamento pós-moderno, que negou todos os significados universais, reduzindo a vida à liberdade ilimitada de criar a própria realidade.

Pierre Cardin levou uma vida sem Deus, sem  restrição alguma, escravizando as pessoas às suas paixões. Por isso o seu trabalho foi tão destrutivo.

A sua obra contribuiu para mudar a maneira como as pessoas se vestem, pensam e agem. Se hoje os Estados Unidos — e boa parte do mundo — estão polarizados e fragmentados, deve-se  isto em grande medida à revolução que ele ajudou a promover.

Extraído do site  «The American Society for the Defense of Tradition, Family and Property». Tradução de Plinio Maria Solimeo, Agência Boa Imprensa – ABIM

Ultimos artigos

Condecorado por terrorismo

Condecorado por terrorismo

Até 1974, o 10 de Junho era uma data para honrar a Nação e os seus heróis. Depois do 25 de Abril, subverteu-se-lhe o sentido e as suas comemorações passaram a ser usadas para glorificar os figurões da esquerda. Este foi um dos «legados» do Presidente Jorge Sampaio.

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This