Passagem de ano: sob o signo do caos e da esperança

28 Dezembro 2020

[Por motivos técnicos, começa apenas no minuto 6:00]

Sempre que chegamos ao final de um ano é normal que nos voltemos para trás para considerar o que ele nos trouxe. Esse olhar retrospectivo é também um olhar para diante, uma tentativa de prognosticar o que o novo ano nos poderá trazer. É impossível não considerar este ano de 2020 que finda como um ano envolto num caos tumultuoso. O zig-zag satânico a que o mundo foi submetido, imprevisível em todos os seus movimentos, só teve um efeito certo e indiscutível. O completo embrutecimento da opinião mundial, com a subversão de toda a vida pública, bem como de todas as existências particulares. Para os católicos, que sabem pela fé ser o Divino Redentor e a sua Santa Igreja o eixo em torno do qual giram todos os grandes movimentos da História, não resta a dúvida da dimensão transcendental de tudo o que o mundo viveu e parece estar condenado a continuar a viver, como que impulsionado por forças malignas. O mais perplexitante é perceber que este clima de caos se estendeu ao interior dos ambientes católicos. Até vozes eclesiásticas de peso, como o Cardeal Burke e Mons. Viganò alertaram sobre tudo isto. O que nos aguarda para 2021? É uma pergunta legítima.

Ultimos artigos

Condecorado por terrorismo

Condecorado por terrorismo

Até 1974, o 10 de Junho era uma data para honrar a Nação e os seus heróis. Depois do 25 de Abril, subverteu-se-lhe o sentido e as suas comemorações passaram a ser usadas para glorificar os figurões da esquerda. Este foi um dos «legados» do Presidente Jorge Sampaio.

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This