Papa Francisco e Vaticano abandonam o Cardeal Zen à «justiça» do Partido Comunista chinês

14 Setembro 2022

Cardeal Joseph Zen (Foto: REUTERS/Bobby Yip)

No Consistório do Vaticano, ocorrido a 31 de Agosto passado, estiveram reunidos quase todos os cardeais do mundo. Faltou o Cardeal Joseph Zen, de Hong Kong, que está sob prisão domiciliar, por ordem do Partido Comunista chinês.

Por ter ousado defender os direitos humanos em Hong Kong e na China, desafiando a nova «lei de segurança nacional», o Cardeal Zen vai ser julgado pelos tribunais comunistas, o que faz recear pela sua vida. O Consistório, porém, não disse uma palavra sobre o assunto porque o Vaticano assinou com a China um acordo em que tacitamente reconhece a chamada «Igreja Patriótica», ou seja, uma igreja controlada pelo Partido Comunista, até na nomeação ou rejeição de bispos indicados pela Santa Sé.

«Haverá um processo injusto no próximo mês. Ninguém levantou a questão gravíssima do nosso co-irmão Zen» – comentou o Cardeal Gerhard Müller em entrevista concedida a «Il Messagero», a 1 de Setembro. «Não se pronunciou o reitor, cardeal Re, nem o secretário de Estado, Parolin, nem mesmo o Papa. Não houve nenhum documento de solidariedade, nenhuma iniciativa de oração para ele», destacou o Cardeal Gerhard Müller.

Recorde-se que este último Consistório reuniu «Um Colégio de Cardeais com muitas caras novas, a maioria delas vindas de onde há décadas era impensável, mesmo impossível, que um bispo, mesmo um simples padre, pudesse imaginar estar vestido de púrpura», lembrou o Pe. Modino em matéria publicada por «Vatican News».

O que houve então de novo nesse Consistório para se admitirem membros (feitos cardeiais) que noutros tempos jamais poderiam ali estar? Têm uma concepção «diferente» da Fé católica?… Sabem que um dos seus irmãos é perseguido e está injustamente preso por um regime totalitário, mas nem sequer propõem uma oração colectiva para ele?…

É verdadeiramente estranha esta cumplicidade do Papa Francisco e dos Cardeais com o comunismo, ao mesmo tempo que manifestam intolerância ao que ensinaram os Papas anteriores e aos católicos fiéis à Tradição Apostólica.

Leia também:
O Arcebispo de Toulouse proíbe que os seminaristas usem batina
Reacção do Arcebispo Viganò às nomeações cardinalícias

Leia também:
O Arcebispo de Toulouse proíbe que os seminaristas usem batina
Reacção do Arcebispo Viganò às nomeações cardinalícias
Diocese demasiado “vital”: enfurece-se o machado da Santa Sé

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This