O Papa Urbano II e a conclamação da Primeira Cruzada

29 Julho 2022

O Papa Urbano II reinou entre 1088 e 1099, tendo o seu pontificado sido marcado pela conclamação da Primeira Cruzada (Foto: World History Encyclopedia)

A 29 de Julho de 1099 faleceu o Papa Urbano II, a quem coube a iniciativa de conclamar a Primeira Cruzada.

Crendo que a partir do território francês seria mais fácil galvanizar a Europa, Urbano II deslocou-se a Clermont (Auvergne), onde inaugurou o célebre Concílio, em 1095. Houve uma exortação solene a empunhar armas para a libertação de Jerusalém, então sob o domínio islâmico.

Imediatamente após a conclusão do discurso papal, a assembleia, representada pelas mais altas linhagens dos nobres franceses, irrompeu num brado unânime: «Deus o quer! Deus o quer!». Essa assombrosa unanimidade, formando um só coro na gigantesca multidão, foi considerada portentoso milagre.

O Pontífice não chegou a ver a realização do glorioso intento, qual seja, a libertação dos Santos Lugares das mãos muçulmanas, pois viria a falecer quatro anos depois.

Foi no pontificado de Urbano II que se introduziu o costume de fincar cruzes no entroncamento das grandes estradas. Nesse mesmo Concílio determinou o Papa que a proximidade de uma cruz significaria, em presença de alguém perseguido por adversários, um asilo tão inviolável quanto o interior dos templos católicos.

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This