«O nosso primeiro objectivo: vencer Abril»

26 Abril 2021

Em nome das falaciosas «liberdade» e «democracia», o 25 de Abril entregou as nossas Províncias Ultramarinas ao comunismo internacional, arrastando-as para a guerra civil, para a ditadura, para uma tragédia humanitária e económica sem precedentes. Deste lado negro do golpe de Abril ninguém se atreve a falar… Foto: «Alternativa Portugal»

«Aproveitando-se da fraqueza de Marcelo Caetano, da torpeza de Costa Gomes e da estupidez vaidosa de Spínola organizaram-se celularmente. Numa manhã chuviscosa tomaram conta do poder. Entregaram-no a um epiléptico compensado, coronel de engenharia, chamado Vasco Gonçalves e, num ápice, desfizeram uma obra de cinco séculos. Diz-se que o medo guarda a vinha. Neste caso arrancou-a e destruiu-a. De Julho de 1974 a Novembro de 1975, Portugal viu-se amputado do melhor do seu território histórico do Ultramar, e completamente arruinado na Metrópole. Um misto de loucura furiosa e de ignorância política emporcalhou repulsivamente toda uma gesta heróica, antiga, moderna e contemporânea. É difícil encontrar outro povo que, em tão pouco tempo, tenha sido de tal forma enxovalhado e menorizado.»

Leia toda a matéria no Site «Alternartiva Portugal».

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This