O amor às crianças é fruto abençoado da Cristandade Medieval

3 Agosto 2021

A primeira herança da Antiguidade não é nada boa: a vida da criança no mundo romano dependia totalmente do desejo do pai. O poder do pater familias era absoluto: o cidadão não tinha um filho, tomava-o. Caso recusasse a criança – e o facto era bastante comum – ela era enjeitada. E o que acontecia à maioria dos enjeitados? A morte.

A segunda herança que a Idade Média herda da Antigüidade, a cultura bárbara, foi-nos passada especialmente por Tácito. Ele conta que a tradição germânica em relação às crianças era um pouco melhor que a romana.

Os germanos não praticavam o infanticídio. As próprias mães amamentavam os seus filhos e as crianças eram educadas sem distinção de posição social.

Dessas duas tradições culturais que se mesclaram e fizeram emergir a Idade Média, concluo que o status da criança naquelas sociedades antigas era praticamente nulo. Até ao final da Antigüidade as crianças pobres eram abandonadas ou vendidas e as ricas enjeitadas – por causa de disputas de herança – ficando entregues à própria sorte.

Nesse contexto histórico-cultural é que se compreende a força e o impacto do Cristianismo, que rompeu com essas duas tradições.

Cristo disse: «Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como as crianças, de modo algum entrareis no Reino dos Céus. Aquele, portanto, que se tornar pequenino como esta criança, esse é maior no Reino dos Céus». (Mt 18, 1-4).

No conceito medieval, a família compunha-se de muitas gerações unidas por uma mesma herança espiritual e material

A tradição cristã abriu, portanto, uma nova perspectiva à criança. No entanto, foi um processo bastante lento, um processo civilizacional levado a cabo pela Igreja.

Em sua História dos Francos, Gregório de Tours narra o sentimento de tristeza e a lamentação de Fredegunda (concubina e depois esposa do rei dos francos Chilperico), sobre a morte de crianças:

«Essa epidemia que começou no mês de Agosto atacou em primeiro lugar a todos os jovens adolescentes e provocou a sua morte. Nós perdemos algumas criancinhas encantadoras e que nos eram queridas, a quem nós havíamos aquecido em nosso peito, carregado em nossos braços ou nutrido por nossa própria mão, dando-lhes alimento com um cuidado delicado […]

«O rei Chilperico também esteve gravemente doente. Quando entrou em convalescença, seu filho mais novo, que não era ainda renascido pela água e pelo Espírito Santo, caiu enfermo. Assim que melhorou um pouco, seu irmão mais velho, Clodoberto, foi atingido pela mesma doença e sua mãe Fredegunda, vendo-o em perigo de morte e se arrependendo tardiamente, disse ao rei:

«A misericórdia divina nos suporta há muito tempo, nós que fazemos o mal, porque sempre ela nos tem advertido através das febres e outras doenças, mas sem que nos corrijamos. Nós perdemos agora os nossos filhos, eis que as lágrimas dos pobres, as lamentações das viúvas e os suspiros dos órfãos os matam e não nos resta esperança de deixar os bens para ninguém.

«Nós guardámos riqueza sem ter a quem deixar. Os tesouros ficarão privados de possuidor e carregados de rapina e maldições! As nossas adegas não abundam em vinho? Os nossos celeiros não estão repletos de trigo? Os nossos tesouros não estão abarrotados de ouro e de prata, de pedras preciosas, de colares e outras jóias imperiais? Perdemos o que tínhamos de mais belo! Agora, por favor, venha!

«Queimemos todos os livros de imposições iníquas e que o nosso fisco se contente com o que era suficiente ao pai e rei Clotário.» (Gregório de Tours, Historiae, V, 34)

Ricardo da Costa
(Professor Adjunto de História Medieval da Universidade Federal do Espírito Santo, Brasil)

Ultimos artigos

Condecorado por terrorismo

Condecorado por terrorismo

Até 1974, o 10 de Junho era uma data para honrar a Nação e os seus heróis. Depois do 25 de Abril, subverteu-se-lhe o sentido e as suas comemorações passaram a ser usadas para glorificar os figurões da esquerda. Este foi um dos «legados» do Presidente Jorge Sampaio.

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This