4 de Julho: Santa Isabel, Rainha de Portugal

4 Julho 2022

4 de Julho: Festa de Santa Isabel, Rainha de Portugal (1271-1336)

Isabel, Santa Rainha de Portugal, socorrei o vosso povo!

Manifesto distribuído pelo IPEC, em Coimbra, no dia 7 de Julho de 2022

Outrora amava a Deus e servia-O com heroísmo incomparável. Hoje, Portugal sofre sob o peso das suas próprias culpas. Outrora, «deu novos mundos ao mundo» e levava a Fé de Cristo até aos confins da Terra. Hoje, sucumbe numa «austera, apagada e vil tristeza». Porquê? Porque se afastou de Deus e se deixou conduzir por maus dirigentes, pelas vias da desonra, do relativismo, do pecado e da apostasia.

A Terra de Santa Maria, que teve o privilégio de receber a Mãe de Deus em Fátima, onde deixou ao mundo um veemente apelo à conversão, vê hoje acumularem-se as desgraças que o afastamento de Deus sempre acarreta.

Eutanásia

Falta em Portugal atempada assistência médica, os cuidados paliativos são muito insuficientes, mas o Governo – sem prévia consulta popular – está empenhado em impor a eutanásia, pondo em sério risco a vida dos idosos e dos doentes, com o pretexto de lhes tirar o sofrimento. Esquecem que o sofrimento fará sempre parte da vida. Deus permite a dor. Porém, com ela também purifica as almas que desejam entrar no Céu.

Aborto

Os Portugueses envelheceram. Faltam crianças e jovens. O Estado não apoia as famílias. Contudo, permite o aborto que a cada ano ceifa a vida a quinze mil bebés, arrancados ao seio materno e atirados para o lixo, quando não utilizados para o fabrico de cosméticos!!!

Drogas

Pelas ruas das nossas cidades vagueiam incontáveis seres humanos cujas vidas foram destruídas pela droga. Escanzelados, miseravelmente vestidos, parecem fantasmas pedindo esmola; esmola que nunca chega para saciar o seu vício. Porém, outros há que auferem lucros milionários, iludindo todas as barreiras. Portugal tornou-se o segundo país com maior consumo de canábis.

Imoralidade

Pelas ruas das nossas cidades, impera um despudor insaciável. As televisões e a Internet divulgam à vontade as cenas mais degradantes, sem se preocupar minimamente em preservar a inocência das crianças, arrastadas assim para o lodo que arruinará as suas vidas e lhes impedirá a verdadeira felicidade.

Derrocada da família cristã

Atacada pela propaganda, pelas modas e por incontáveis leis anticristãs, a família desmorona-se completamente. Um dia é o divórcio facilitado ao máximo, outro dia a legalização das uniões livres, o chamado  “casamento” de pessoas do mesmo sexo, etc., etc.. O verdadeiro casamento, celebrado perante Deus, é desvalorizado e as uniões livres fazem-se e desfazem-se, tornando-se prática corrente. Os filhos são deixados à sua sorte…

Corrupção

Desvalorizando-se a honra, o respeito, a honestidade, todos os meios sociais, até às altas esferas do poder, se vão deixando arrastar pela mais descarada corrupção. O bem comum vai deixando de ser o norte dos políticos e muitos utilizam o poder em seu proveito.

Clamoroso silêncio dos Pastores

Perante a metódica destruição de todos os valores cristãos em Portugal, perguntamos: Onde estão os nossos Bispos, os Pastores do rebanho de Nosso Senhor Jesus Cristo? Já não «ladram como cães fiéis», para usar a metáfora do Evangelho, mas preferem um cómodo silêncio «politicamente correcto», enquanto os lobos destroçam à vontade a grei do Senhor. Contudo, Deus pedir-lhes-á contas severíssimas por tão incompreensível silêncio.

Apelo

Santa Isabel intercedei no Céu por este povo que se afastou de Deus, para que volte a ser a Nação Fidelíssima; aquela Nação católica que, pela voz do seu Rei, proclamou, em dia solene e grande, Nossa Senhora da Conceição como Rainha de Portugal.

Rainha Santa Isabel, rogai por nós!

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This