Nota sobre o novo Motu Proprio do Papa Francisco

20 Julho 2021

O culto pagão à Pachamama é permitido e promovido na Santa Sé, mas a Santa Missa tradicional é objecto de severas restrições que visam a sua extinção total. (Foto: Joshua Carles)

O Papa Francisco é o Vigário de Nosso Senhor Jesus Cristo na Terra. A ele está confiada a jurisidição suprema da Igreja Católica, não para criar novidade, mas para guardar, transmitir, explicar e aprofundar aquilo que o Divino Salvador e o Espírito Santo ensinaram aos Apóstolos — observou o Rev. Padre Daniel Pinheiro, superior do IBP para a América Latina. Não cabe ao Papa, portanto, mudar o ensinamento doutrinário e a moral da Igreja e, menos ainda, proibir ou tentar proibir a Liturgia da Santa Missa de sempre, a qual remonta aos tempos apostólicos e pela qual se construiu uma Civilização, pela qual se formaram e guiaram povos, nações e muitas almas de santos, de mártires e de tanta gente simples ou ilustre pelo mundo inteiro.

A proibição da Missa tradicional (Missa Tridentina ou Missa de São Pio V) é uma medida que está fora das prerrogativas pontifícias. Não pode ser abolida nem restringida, não apenas pelo dever de respeitar e de não contradizer as disposições dos Papas anteriores, mas sobretudo porque nega os princípios da Doutrina Católica e o centro da vida da Igreja, ou seja, a própria Santa Missa.

Sobre a aplicação deste Motu Proprio «Traditionis Custodes» do Papa Francisco, cumpre lembrar que uma lei — segundo o ensinamento da Igreja Católica — é uma ordenação da razão ao bem comum, promulgada por autoridade legítima. O Papa Francisco é autoridade legítima e tem o poder de promulgar, mas é obrigado a fazê-lo em conformidade com a recta razão e em vista do bem comum, principalmente do supremo bem da salvação das almas. A legislação pontifícia não pode contrariar a Revelação nem a Doutrina da Igreja. Sabendo que a Lei Suprema é a salvação das almas e que a Santa Missa é um poderosíssimo meio para se alcançar esse primordial objectivo, cabe ao Papa promovê-lo com todo o empenho e jamais negá-lo ou impedi-lo.

Daqui decorre que o dever da obediência também não se aplica a uma lei que integralmente não inclua estes requisitos. Assim como um filho não deve nem pode acatar a ordem de um pai que o mande furtar, matar ou pecar contra a castidade, assim também os fiéis católicos não têm que obedecer a ordens que comprometam a sua Fé e a salvação das almas, devendo embora guardar o respeito e a obediência em tudo o mais que a autoridade eclesiástica determinar, no legítimo exercício do seu poder e da sua jurisdição, sempre em conformidade com a recta razão, com o bem comum, com a Tradição Apostólica, com a Revelação e com a Doutrina da Igreja.

Ultimos artigos

A pandemia e seus tabus

A pandemia e seus tabus

Nesta chamada «pandemia» há uma série de temas que são inexplicavelmente evitados pelos grandes meios de comunicação social.

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This