Covid-19: Semelhanças com a impostura de 2010

30 Dezembro 2020

Os grandes laboratórios farmacêuticos geram lucros que os actores da «Nova Ordem Mundial» não poderiam ignorar… (Imagem de Gerd Altmann por Pixabay)

Numa situação muito semelhante à que vivemos hoje, a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa afirmou em 2010 que «a pandemia da gripe A nunca existiu» e acusou a Organização Mundial de Saúde de ter «sobrestimado o vírus H1N1».

A notícia foi divulgada pela Euronews em 5 de Julho de 2010, fazendo alusão ao «desperdício de fundos públicos na compra de vacinas» e a certas «ligações entre os peritos da OMS e os laboratórios farmacêuticos».

O número de vítimas fatais causado pela gripe A também ficou muito abaixo do anunciado pela OMS que já nessa época andava desacreditada pelo falso alarme de pandemia e por negócios obscuros com as farmacêuticas.

Dez anos decorridos, parece que a impostura se repete, mas agora com a diferença de que a «pandemia» foi o pretexto para uma gigantesca operação global de guerra psicológica na qual se empenharam quase todos os governos do mundo, os grandes meios comunicação social, serviços de saúde, forças policiais, grandes empresas, etc.

Em populações habituadas a não raciocinar, foi fácil «convencer» pela via do medo e do isolamento. Se não houver reacções como as que vão surgindo noutros países, fácil será também impor a tirania da chamada «Nova Ordem Mundial»…

ADENDA (27 de Janeiro de 2021): Esta notícia foi recentemente retirada da Internet, depois de ter ali permanecido disponível durante quase 11 anos. No entanto, os leitores ainda poderão ver todo o texto da matéria no arquivo da Web: https://web.archive.org/web/20210111012700/https://pt.euronews.com/2010/06/05/gripe-a-novas-acusaces-contra-oms

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This