Considerações sobre a «Reforma da Liturgia Romana»

27 Novembro 2020 | Biblioteca


Completando-se cinquenta anos da constituição apostólica Missale Romanum, que introduziu o Novus Ordo Missae, um número crescente de católicos julgou ter chegado o momento de fazer um balanço isento, desapaixonado e rigoroso das suas consequências.
 
Foi também há 50 anos que os cardeais Ottaviani e Bacci apresentaram a Paulo VI uma lúcida advertência, validada por doze eminentes teólogos, na qual estes denunciavam na reforma da liturgia «um impressionante afastamento da teologia católica da Santa Missa».
 
Na verdade, os reformadores quiseram uma liturgia completamente nova, diferente da antiga, tanto no espírito como nas formas exteriores, e que correspondesse às tendências da teologia nova.
 
Mais recentemente, o Papa Bento XVI, que viveu com grande dor toda a crise litúrgica, chegou a afirmar: «Estou convencido de que a crise eclesial em que hoje nos encontramos depende em grande parte da decadência da liturgia». Antes disso, já tinha dito que, em vez de redescobrir o centro vivo da liturgia, a reforma «na sua realização concreta afastou-se cada vez mais dessa origem. O resultado não foi uma reanimação mas uma devastação (…) uma liturgia degenerada em show».
 
​A verdade é que o êxito pastoral que se esperava não se concretizou. As igrejas esvaziaram-se, o povo descristianizou-se, a juventude afastou-se da Fé. Tudo isto levou o grande liturgista alemão Klaus Gamber, da Academia Pontifícia de Liturgia, a afirmar: «Consumou–se a ruptura com a tradição (…) Pode-se dizer que as esperanças que se depositaram na reforma litúrgica não se realizaram em absoluto». E acrescentou: «É necessário que o rito mais do que milenar da missa seja conservado na Igreja Católica romana como forma primária de celebração (…) É necessário que volte a ser a norma de fé e sinal da unidade dos católicos em todo o mundo, um pólo inabalável em tempos de tanta desorientação».

Autor: Arnaldo Vidigal Xavier da Silveira
Onde comprar: Editora Caminhos Romanos

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

AUTÊNTICO SENTIDO DA GRANDEZA LUSA

AUTÊNTICO SENTIDO DA GRANDEZA LUSA

Vale a pena reler e reflectir sobre o manifesto do Centro Cultural Reconquista em defesa do Ultramar Português, publicado apenas dois meses antes do nefasto golpe de 25 de Abril de 1974. Precisamente há 50 anos…

Share This