Condecorado por terrorismo

14 Setembro 2021

Um dos feitos mais destacados do falecido Presidente Jorge Sampaio, ex-advogado e defensor dos «trabalhadores» que faziam oposição ao regime de Salazar, foi a atribuição da insígnia de Grande Oficial da Ordem da Liberdade ao seu camarada comunista e ex-terrorista Camilo Mortágua (Foto: El País).

A título muito breve, recordem-se aqui dois factos relacionados com esse acto oficial do Presidente da República:

A condecoração foi atribuída no dia 10 de Junho de 2005. Como é bem sabido, o feriado do 10 de Junho era o Dia de Portugal, era o dia em que se honrava a Nação, a Comunidade Lusíada, Camões e a Língua Portuguesa. Até 1974, era também a data em que se condecoravam os Portugueses distinguidos na Guerra do Ultramar, em defesa das nossas Províncias da África e da Índia.

Camilo Mortágua era o oposto daquilo que o 10 de Junho simbolizava. Pode-se perguntar se o acto da condecoração em tal data não foi exactamente para espezinhá-la e subvertê-la, à semelhança do que se fez nesta República com tantos outros «ilustres» da era «pós-fascista»…

Vejam-se agora quais foram algumas das mais proeminentes acções de Camilo Mortágua para merecer aquela distinção do seu ex-camarada:
Assalto ao paquete Santa Maria;
Desvio de um avião da TAP;
Assalto ao Banco de Portugal;
Ocupação (selvagem!) da Herdade da Torre Bela, pilhagem e destruição do seu património.

Em suma, condecorado por terrorismo! Condecorado pelo Presidente da República! Condecorado pelo mesmo regime que fez «vista grossa» aos crimes de Otelo Saraiva de Carvalho!

Ultimos artigos

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This