Condecorado por terrorismo

14 Setembro 2021

Um dos feitos mais destacados do falecido Presidente Jorge Sampaio, ex-advogado e defensor dos «trabalhadores» que faziam oposição ao regime de Salazar, foi a atribuição da insígnia de Grande Oficial da Ordem da Liberdade ao seu camarada comunista e ex-terrorista Camilo Mortágua (Foto: El País).

A título muito breve, recordem-se aqui dois factos relacionados com esse acto oficial do Presidente da República:

A condecoração foi atribuída no dia 10 de Junho de 2005. Como é bem sabido, o feriado do 10 de Junho era o Dia de Portugal, era o dia em que se honrava a Nação, a Comunidade Lusíada, Camões e a Língua Portuguesa. Até 1974, era também a data em que se condecoravam os Portugueses distinguidos na Guerra do Ultramar, em defesa das nossas Províncias da África e da Índia.

Camilo Mortágua era o oposto daquilo que o 10 de Junho simbolizava. Pode-se perguntar se o acto da condecoração em tal data não foi exactamente para espezinhá-la e subvertê-la, à semelhança do que se fez nesta República com tantos outros «ilustres» da era «pós-fascista»…

Vejam-se agora quais foram algumas das mais proeminentes acções de Camilo Mortágua para merecer aquela distinção do seu ex-camarada:
Assalto ao paquete Santa Maria;
Desvio de um avião da TAP;
Assalto ao Banco de Portugal;
Ocupação (selvagem!) da Herdade da Torre Bela, pilhagem e destruição do seu património.

Em suma, condecorado por terrorismo! Condecorado pelo Presidente da República! Condecorado pelo mesmo regime que fez «vista grossa» aos crimes de Otelo Saraiva de Carvalho!

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This