Colômbia: Guerrilha e terrorismo transferem-se para as cidades, de acordo com um plano que a curto prazo vai servir para a sublevação de toda a América do Sul

21 Junho 2021

Os protestos violentos na Colômbia são articulados pelas FARC e pelo ELN, movimentos terroristas colombianos que são hoje os principais cartéis do narcotráfico mundial. O governo da Colômbia limita-se a obedecer-lhes… [Foto: Juan Barreto / AFP]

Eugenio Trujillo Villegas*

O que há alguns anos parecia impensável na Colômbia tornou-se realidade assustadora no último mês: o terrorismo e a guerrilha instalaram-se nas principais cidades do País. Um problema que existia nas selvas mudou agora brutalmente para os principais centros urbanos.

Este é o preço absurdo que os colombianos pagam por uma série de decisões irracionais dos seus dirigentes, ao contrário do que pensa e deseja a maioria da população. Este pesadelo tem a sua origem remota no «Acordo de Paz» assinado entre o ex-presidente Juan Manuel Santos e as FARC, o qual foi rejeitado no Plebiscito de 2016. Infelizmente para a Colômbia, Santos frustrou o Plebiscito usando todos os tipos de armadilhas e engodos, com o apoio incondicional do Congresso da República, do Tribunal Constitucional, de toda a classe política — liderada pelo seu principal adversário, Álvaro Uribe — e de um sector empresarial que delirava com a ideia de assinar a falsa paz que agora se estabeleceu.

Avança a capitulação da Colômbia

Sem desejá-lo, a Colômbia foi atirada para o abismo da capitulação. Pouco antes do Plebiscito, o próprio Juan Manuel Santos ameaçou o País afirmando que se o seu processo de paz não fosse aceite, a guerrilha travaria a luta armada nas cidades. Pois bem, como acontece a quem capitula perante uma ameaça, a Colômbia aceitou o roubo do Plebiscito, incrementou o Acordo com o qual lhe impõem esta falsa paz em que vive, concordou com a concepção de um novo país em conformidade com as exigências da subversão, proclamando a mais absoluta impunidade para os terroristas, concedendo-lhes assento gratuito no Congresso da República.

Consequentemente, como previsto, denunciado e proclamado há anos por Tradición y Acción, os guerrilheiros saíram das profundezas da selva para o coração das principais cidades. Agora, todo o colombiano pode ver à janela da sua casa como o terrorismo destrói o País.

Mas a essa tragédia adiciona-se outra, ainda mais devastadora. Enquanto uma minoria radical, fanática e feroz executa o mandato das multinacionais do crime comunista de destruir a Colômbia, os nossos líderes parecem não se dar conta da gravidade dos acontecimentos. Eles agem como se tratasse de um protesto «legítimo» e «pacífico», como os próprios terroristas o chamam, enquanto ateiam fogo à Colômbia, colapsando a economia, destruindo empregos, sequestrando cidades inteiras e colocando o governo de joelhos. Um grupo insignificante de criminosos, executores da destruição, proclama-se porta-voz do povo colombiano e negoceia com o governo o futuro da Nação em nome do seu povo.

Um Comité que não representa a Colômbia

É inaceitável que o governo reconheça a esse grupo uma legitimidade que absolutamente não tem. A absurda realidade reside no facto de 50 milhões de colombianos estarem a ser representados pela FECODE (o sindicato dos professores marxistas que perverte os nossos filhos), por alguns sindicatos que nem sequer representam os seus associados e pela linha de vanguarda da greve armada que nos assola desde o último dia 28 de Abril, formada por terroristas pagos e articulados pelas FARC e pelo ELN.

As suas primeiras exigências já foram acatadas pelo governo:
– reforma da Polícia e do Exército (o que equivale à sua aniquilação);
– restrições à actuação das Forças da Ordem perante os excessos (política de Estado);
– ensino universitário gratuito para jovens que não querem estudar;
– subsídios para todos os desempregados (o que levará ao colapso da economia);
– oportunidades de emprego (em contradição com a destruição das fontes de emprego).

Capitulando assim às exigências mais absurdas, desaba o Estado de Direito, desfaz-se o progresso alcançado ao longo de décadas de trabalho e conduz-se a Colômbia ao caos, à incerteza e à desolação. Em Maio, mais de 500.000 empregos foram perdidos e cerca de 50.000 empresas faliram, como resultado dos graves distúrbios e bloqueios promovidos pela greve armada.

Guerra para impor a miséria socialista

Há mais de um mês que a Colômbia assiste a acções terroristas e à violação sistemática do direito ao trabalho e à livre circulação. Os grandes investimentos feitos no imobiliário urbano das principais cidades desaparecem em decorrência do vandalismo de algumas turbas demoníacas que no seu rasto destroem tudo o que significa civilização, cultura e progresso. Muitas estações e autocarros dos sistemas de transportes públicos, semáforos, câmaras de segurança, parques e jardins públicos, estabelecimentos comerciais, empresas privadas, repartições públicas, estabelecimentos de ensino e monumentos históricos foram destruídos. Desencadeou-se uma guerra de morte contra tudo o que significa progresso e emprego.

É hora de abrir os olhos! Estas manifestações não são protestos legítimos! E, menos ainda, pacíficos! Trata-se, isso sim, da aplicação prática de todas as formas de luta marxista anunciadas nos antigos manuais da guerra subversiva e adoptada pelo Fórum de São Paulo para conquistar todos os países da América sob articulação das FARC e do ELN, hoje os principais cartéis do narcotráfico.

O objectivo consiste claramente em dar um golpe e tomar o poder antes das eleições presidenciais de 2022. Este é o panorama que o governo deveria entender para lidar correctamente com a crise, mas tudo indica que ele prefere aferrar-se ao roteiro estabelecido no «Acordo de Paz» elaborado pelos ditadores de Cuba e da Venezuela para conduzir o País ao caos e à miséria.

* Eugénio Trujillo Villegas é Director da Sociedad Colombiana Tradición y Acción: www.tradicionyaccion-colombia.org / trujillo.eugenio@gmail.com

Ultimos artigos

Condecorado por terrorismo

Condecorado por terrorismo

Até 1974, o 10 de Junho era uma data para honrar a Nação e os seus heróis. Depois do 25 de Abril, subverteu-se-lhe o sentido e as suas comemorações passaram a ser usadas para glorificar os figurões da esquerda. Este foi um dos «legados» do Presidente Jorge Sampaio.

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This