Censura a mando dos ladrões de pensamento

4 Março 2021


Uma concepção a-filosófica e a-religiosa da sociedade, meramente económica e profissionalista, dá origem ao grande desespero das multidões contemporâneas. Ontem estas esbaldavam-se para fazer capital, hoje para fazer revolução e já amanhã para se atirarem no bueiro do miserabilismo niilista, isto é, na glorificação do andrajo e da miséria, da sujeira, do desmazelo e do caos. «Eliminado o factor pensamento da vida pública ou da vida social, qual é o tipo de ordem que querem, para as democracias recém-erectas, os homens que aí estão? A ordem de um curral, onde há ração e tranquilidade para que o Estado exerça sempre mais amplamente sua acção ordenhativa? Se o sistema democrático dá a cada pessoa o direito e o dever de votar, impõe-lhe também a obrigação de pensar. E quando a pessoa pensa, necessariamente fala do que pensa. Quando as famílias não pensam, não educam. Só votam quando obrigadas e pôem dentro da urna um papel com qualquer nome, nome-anedota, nome-pilhéria, conforme o caso até nome-blasfêmia. Mas isto já não é democracia, nem sequer curral. É outra coisa: é o triste campo de concentração, a mando dos ladrões de pensamento» (Plinio Corrêa de Oliveira, O tufão do contrapensamento, 11.2.1983).

Ultimos artigos

Condecorado por terrorismo

Condecorado por terrorismo

Até 1974, o 10 de Junho era uma data para honrar a Nação e os seus heróis. Depois do 25 de Abril, subverteu-se-lhe o sentido e as suas comemorações passaram a ser usadas para glorificar os figurões da esquerda. Este foi um dos «legados» do Presidente Jorge Sampaio.

Biblioteca

São Tomás de Aquino
São Tomás de Aquino

Enquanto outros elevavam ao céu prodigiosas catedrais, São Tomás edificou, com a mesma lógica simples e poderosa, um sistema filosófico...

Share This