Ao menos, posso perguntar?…

28 Junho 2021

Edifício do Parlamento da Hungria, Budapeste. Quase toda a comunidade internacional, principalmente a União (Soviética) Europeia não reconhece à Hungria o direito soberano de se governar como pais independente. Nos tempos em que esta nação era dominada pela Rússia Soviética, jamais se falava no «direito à autodeterminação», nem para a Hungria nem para quaisquer países dominados pelo comunismo. Mas quando esses mesmos países escolhem — por eleição legítima e repetidamente confirmada — um governo que não se alinha com a agenda socialista mundial, logo desaparece esse direito à independência e à soberania nacional. (Foto: Pexels.com)

Sim, a pergunta tem todo o sentido pois nos tempos de correm, nunca se sabe…

Comecemos pelo princípio: a semana que passou, esta Europa decadente e moribunda viveu um momento de grande perturbação provocado pele minoria ululante e exibicionista que pretende controlar cada vez mais o nosso destino e que anda muito encrençada contra a Hungria pela legislação que este País publicou sobre a família e a educação.

Não houve «personalidade» nenhuma nem dirigente político do Sistema que não tenha vindo dar o ar de sua graça e obtemperar contra o governo húngaro.

Por cá – fiéis à tradicional piroseira nacional – andaram por aí as cores do «arco-íris»(!) até no cabeçalho de um semanário, e – contaram-me – até um dos maiores bancos inseriu ridiculamente, o dito cujo no logótipo…

Enfim…

Agora, a pergunta? A maioria dos indignados leu, por acaso, o que está na Lei húngara? Os ululantes e exibicionistas leram de certeza, mas, tenho as mais sérias dúvidas que a maioria saiba verdadeiramente o que está lá escrito…

Essencialmente, o que é?

Para os MENORES DE 18 ANOS, só os pais poderão decidir sobre a educação sexual dos filhos. A EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS NÃO PODE COLIDIR COM A VONTADE DOS PAIS.A SUA FORMA E CONTEÚDO DEVEM SER DEFINIDOS COM O CONSENTIMENTO DOS PAIS.

É claro que para o PHEC- Processo de Heterofobia em Curso – as disposições húngaras são atentatórias da agenda ditatorial e controladora da minoria ruidosa e exibicionista, que tudo fez e fará para contrariar a legislação aprovada em Budapeste pela maioria do Parlamento.

Que se esforcem por combatê-la, era de se esperar, mas que a «maioria» do Sistema – ó, a minha doce ingenuidade…-  fizesse o mesmo, é que se torna mais difícil de compreender e aceitar… Bastaria ler o que foi aprovado…

Quer dizer: quando por cá, a «agenda» está em pleno funcionamento, por iniciativa do chamado ministério da educação, já nada é de espantar (Lembram-se do que se passou com os dois estudantes de Famalicão?).

Ao carrossel de letras que anda por aí ,talvez se pudesse acrescentar umas que eu cá sei…

José Valle de Figueiredo
in «Folha de Tondela», 28-6-2021

NR: A publicação da foto e respectiva legenda são da responsabilidade da nossa Redacção.

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This