A vitória pró-família que virou os Países Baixos de pernas para o ar

27 Abril 2023

James Bascom *

Poucas pessoas no Ocidente considerariam os Países Baixos como um país receptivo a uma mensagem pró-família. Menos ainda imaginariam que pudesse existir ali uma organização pró-família, muito menos uma que conseguisse vitórias.

A reputação dos Países Baixos na cultura popular é a de uma Las Vegas europeia que atrai milhões de visitantes a Amesterdão para consumir drogas, jogar e prostituir-se. A sua auto-imagem é a de um individualismo radical – liberalismo clássico em economia e libertarianismo em moral. Acreditando na sua própria propaganda, os esquerdistas culturais holandeses têm descansado sobre os louros da vitória durante décadas, seguros da sua convicção de que, na Holanda, a revolução sexual triunfou sobre toda a oposição.

Este mito sofreu um rude golpe em Fevereiro, quando a Civitas Christiana – uma organização holandesa pró-família que é membro autónomo da rede internacional de Sociedades para a Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) – lançou uma petição através da sua campanha Gezin in Gevaar (“Família em Perigo“) que conseguiu impedir a distribuição de um poema para crianças holandesas escrito pelo activista LGBT e autor pró-pedofilia Pim Lammers.

A vitória de Gezin in Gevaar desencadeou um intenso debate a nível nacional e uma tempestade mediática que durou mais de um mês. O movimento LGBT neerlandês, todos os meios de comunicação social neerlandeses e até o Primeiro-Ministro Mark Rutte juntaram-se num enorme tumulto de raiva, descrença e medo. Todas as instituições do poder defenderam o direito de Pim Lammers a publicar propaganda pró-pedofilia, enquanto a televisão, a rádio e os jornais holandeses troçavam de Hugo Bos, o secretário da Civitas Christiana, pelas suas opiniões católicas tradicionais sobre a família e o casamento.

A manipulação da comunicação social a favor da revolução sexual

O “caso Pim Lammers” começou com a Kinderboekenweek (Semana do Livro Infantil), um evento anual nos Países Baixos que promove os autores de livros infantis recentemente publicados. É organizado pela CPNB – Collectieve Propaganda van het Nederlandse Boek (Promoção Colectiva do Livro Holandês), uma associação de editores e livrarias holandesas que promove a literatura holandesa. Tal como foi noticiado pela primeira vez pelo reactionair.nl, o CPNB pediu a Pim Lammers, um conhecido homossexual holandês e activista LGBT, que escrevesse um poema que seria distribuído às crianças de toda a Holanda.

Além de ser um conhecido activista homossexual, Pim Lammers é também escritor de livros infantis de cariz sexual. Um desses livros é «O Agricultor e o Veterinário», uma história sobre dois homens que se apaixonam um pelo outro. Outro é «O Cordeirinho» que é um porco usado para ensinar a teoria do género aos alunos do jardim-de-infância. Ainda outro livro, «Trainer», é sobre um rapaz de doze anos que é abusado pelo seu treinador de futebol adulto, mas que parece gostar disso.

A controvérsia começou imediatamente após o CPNB ter anunciado a selecção de Lammers para escrever o poema infantil. Algumas celebridades holandesas, entre as quais Kim Feenstra e Monique Smit, fizeram declarações fortes contra a escolha. Antecipando a polémica em torno da escolha de Lammers, o CPNB voltou atrás, dizendo que tinha “escolhido muito conscientemente” Lammers porque os seus livros são sobre “sermos nós próprios enquanto crianças“. A União da Língua Holandesa, a organização internacional que supervisiona a língua holandesa, também tweetou o seu apoio ao CPNB.

Em 4 de Fevereiro, Gezin in Gaavar lançou uma petição online pedindo à Semana do Livro Infantil que retirasse o convite a Pim Lammers para escrever um poema. Em 24 horas, a petição tornou-se viral e foi assinada por mais de 5.000 pessoas. Para um país de 17 milhões de habitantes, 5.000 é um número muito significativo, equivalente a cerca de 100.000 nos EUA. Mais tarde, a petição subiu para mais de 7.200. A controvérsia também foi tendência no Twitter durante semanas.

Um dia depois de a petição ter aparecido online, a Children’s Book Week anunciou que Lammers tinha decidido desistir de escrever o poema.

A revolução sexual não admite oposição

Imediatamente após a declaração de Lammers, todos os meios de comunicação social holandeses se indignaram. O caso Lammers tornou-se rapidamente um assunto nacional, com todos os principais jornais holandeses a noticiá-lo, incluindo o De Telegraaf, o Algemeen Dagblad, o De Volkskrant, o NRC e o Trouw. Desde o início, os media recusaram-se a defender Pim Lammers na questão central: a moralidade da pedofilia. Como se pressentissem que a literatura pedófila para crianças é uma ponte demasiado longa aos olhos da opinião pública, os meios de comunicação social neerlandeses mudaram simplesmente de assunto. Em vez disso, fizeram com que a questão se prendesse com as alegadas ameaças de morte contra Lammers, considerando a Civitas Christiana uma organização de “extrema-direita” que ataca a “liberdade de expressão”, e uma verdadeira ameaça para a Holanda.

O facto é que os revolucionários sexuais lutaram pela sexualização das crianças durante quase um século. Wilhelm Reich, que cunhou o termo “revolução sexual”, escreveu que as crianças são seres “sexualmente conscientes” e que é prejudicial reprimir os seus desejos sexuais. Alguns de seus discípulos fundaram organizações pró-pedofilia. Daniel Cohn-Bendit, o ícone da revolta estudantil de maio de 1968 na Sorbonne, admitiu em entrevistas aos meios de comunicação social e no seu livro de 1975, Le Grand Bazar, que tinha tido contacto sexual com crianças de apenas cinco anos. O Partido Verde alemão foi forçado a pedir desculpa em 2014 pelas suas posições pró-pedofilia que remontam à fundação do partido em 1980.

Mais recentemente, o organismo de radiodifusão estatal neerlandês NPO suscitou polémica ao dar uma tribuna a Nelson Maatman, membro do grupo pró-pedofilia MARTIJN Association, para defender os seus pontos de vista. A NPO produziu também um programa intitulado “Gewoon. Bloot”. (“Simplesmente. Nu”), no qual os adultos se despem à frente das crianças. Em 2019, os Jovens Democratas, a ala juvenil do Partido Democrático Holandês (D66) que faz parte da actual coligação governamental em Haia, publicou um documento que apelava à normalização da pedofilia como “uma orientação sexual com que se nasce“. É impossível negar que o establishment holandês e europeu tenham favorecido ou pelo menos permanecido indiferentes à normalização da pedofilia. E, a nível cultural, a disseminação das Drag Queen Story Hours por todo o mundo é a prova mais clara de que o movimento LGBT quer preparar as crianças para aceitarem a sua agenda, como admitiu um activista perante as câmaras.

«Liberdade de expressão» para todos… menos para quem se opõe à Revolução

No sábado, 4 de Fevereiro, foi publicado um anúncio de página inteira em todos os principais jornais holandeses, com a assinatura de centenas de escritores, intelectuais e outras figuras públicas que apoiavam Lammers. A razão oficial era a defesa da “liberdade de expressão“. No entanto, muitos dos signatários, entre os quais Marthijn Uittenbogaard, Sidney Smeets, Arnon Grunberg e Meindert Fennema, já tinham apoiado abertamente a pedofilia. Smeets teve de se reformar como deputado em 2021 por ter solicitado rapazes menores de idade para sexo. Nada menos do que doze signatários da declaração em defesa de Lammers foram também signatários de uma declaração de 2014 em defesa do grupo pró-pedofilia MARTIJN Association. Um dos signatários, o antigo deputado holandês Ed Nijpels, do Partido Popular (VVD), tem defendido publicamente a descriminalização das relações sexuais com crianças desde 1978.

Para tentar mudar ainda mais de assunto, a NPO centrou-se nas alegadas ameaças de morte a Lammers. Um apresentador da NPO acusou a campanha da associação Gezin in Gevaar de incitar a essas ameaças e apelou ao Governo holandês para que investigasse a organização pelos seus “actos extremistas ou mesmo terroristas”. A Gezin in Gevaar negou veementemente ter feito ameaças de morte ou ter recorrido à violência de qualquer forma e salientou que a própria organização foi alvo de várias ameaças de morte nos últimos cinco anos. Os meios de comunicação social mantiveram um silêncio evidente quando os activistas LGBT agrediram fisicamente os voluntários da Civitas Christiana várias vezes ou quando militantes Antifa vandalizaram os seus escritórios.

No dia seguinte, o Primeiro-Ministro Mark Rutte tweetou uma declaração defendendo Pim Lammers, dizendo que “a liberdade de expressão é um grande trunfo no nosso Estado de direito” e que “só os tribunais estabelecem limites”. Apenas um membro do parlamento holandês, Wybren van Haga, teve a coragem de fazer uma declaração pública contra Lammers. “Quem glorifica o abuso de crianças nunca deveria ter um pódio“, tweetou.

A Civitas Christiana não esconde que se inspira e orienta pelos ensinamentos sociais e morais tradicionais da Igreja Católica. Não surpreende, portanto, que os “católicos” progressistas também se tenham manifestado contra a sua campanha. O Padre Jan-Jaap van Peperstraten, um sacerdote católico holandês com uma presença proeminente nas redes sociais, atacou Civitas Christiana pelas suas posições contra a homossexualidade, a sua defesa da propriedade privada e o seu suposto objectivo de impor um “califado islâmico”. O bispo Gerard de Korte, da diocese de ‘s-Hertogenbosch, também publicou uma declaração na qual atacou Civitas por não ter aceitado a “cultura moderna” e, em particular, por rejeitar os princípios da Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade.

Nos Países Baixos, a rejeição à revolução sexual é muito maior do que se pensa

A hostilidade universal e esmagadora dos meios de comunicação social e do establishment neerlandês poderia dar a ideia de que o povo neerlandês está do seu lado. As suas próprias palavras, porém, revelam o contrário. O escritor holandês Dolf Verroen disse que Pim Lammers vai ficar com o seu nome permanentemente associado à defesa da pedofilia, um “desastre” para ele que será “difícil de eliminar e que continuará a aparecer na Internet”.

Existe também o receio de que as ideias tradicionalistas e mesmo reaccionárias sobre a família, a moralidade e a religião sejam muito mais atractivas nos Países Baixos do que a maioria das pessoas pensa. Alguns jornais e programas de rádio expressaram o receio de que grupos como Civitas Christiana estejam “a ganhar a guerra cultural e de comunicação” e que o “movimento anti-género possa ganhar força nos Países Baixos”. Outros expressaram o seu choque pelo facto de um grupo tão pequeno poder implementar uma “estratégia de sucesso” com um “alcance tão vasto”. O sucesso da campanha é a prova de que um pequeno grupo e um tema bem escolhido podem ter um impacto decisivo na opinião pública e derrotar os avanços da revolução sexual, mesmo nos Países Baixos.

A hostilidade sem precedentes dos meios de comunicação social não se deveu apenas a um poema. A petição revelou uma grave fractura na sociedade holandesa em matéria de liberdade e moralidade pública. Ao contrário do país libertário apresentado nos anúncios turísticos, uma significativa minoria da sua população está revoltada com a revolução sexual e continua a acreditar na família natural, mas mantém-se em silêncio por medo.

À medida que as sociedades ocidentais se aproximam cada vez mais da anarquia sexual e social, este segmento até agora silencioso da população está a reagir e a quebrar o falso consenso. As terríveis consequências do individualismo radical com a ideologia de género e a pedofilia estão a levar as pessoas a rejeitar o paradigma da modernidade liberal. Muitos estão mesmo a olhar para o passado cristão do país em busca de respostas. Uma coisa é certa: a imagem dos Países Baixos como um país totalmente libertário, sem qualquer oposição à revolução sexual, tornou-se obsoleta.

* James Bascom é escritor e investigador da Civitas Christiana, uma organização holandesa sem fins lucrativos que é parte autónoma da rede internacional das Sociedades de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP). Vive em Veenendaal, nos Países Baixos.

Artigo traduzido do Site da TFP Americana
NR: Os subtítulos são da responsabilidade da nossa Redacção

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This