A histeria do Covid-19 criou 573 novos bilionários

13 Setembro 2022

Do anonimato para a lista dos mais ricos do mundo: Eis alguns dos novos bilionários nascidos da «Pandemia»: Stephane Bancel, Liu Fangyi e Ugur Sachin (Foto: Forbes)

573 pessoas tornaram-se bilionárias durante a histeria do Covid, relata a Oxfam. Em 2022, mais 263 milhões de pessoas cairão na pobreza extrema.

– As fortunas dos oligarcas/bilionários aumentaram mais nos primeiros 24 meses da histeria do Corona do que nos 23 anos anteriores combinados. A riqueza total dos bilionários do mundo é actualmente equivalente a 13,9% do PIB global e mostra um aumento de três vezes em relação a 2000 (4,4% na época).

– A histeria criou 62 novos bilionários na área da alimentação. Os oligarcas dos sectores da alimentação e energia aumentaram as suas fortunas em mil milhões de dólares a cada dois dias. Os preços dos alimentos e da energia estão nos níveis mais altos desde há décadas.

– As fortunas dos bilionários da alimentação e da energia aumentaram 453 mil milhões de dólares nos últimos dois anos. Cinco das maiores empresas de energia (BP, Shell, Total, Exxon e Chevron) juntas fazem 2,6 milhões de dólares em lucros a cada segundo.

– As margens de lucro das empresas petrolíferas duplicaram durante a histeria, enquanto os custos de energia para os clientes vão aumentar 50% em 2022.

– Na indústria farmacêutica, 40 bilionários surgiram durante a histeria do Corona. Moderna e Pfizer lucram 1 milhão de dólares a cada segundo apenas com os seus monopólios de injecção Covid.

As fortunas dos bilionários não aumentaram porque eles trabalharam mais, os super-ricos [que também controlam os media] – manipulam o sistema impunemente há décadas, disse Gabriela Bucher, directora executiva da Oxfam International.

in Gloria TV

Fontes:
Oxfam, Euronews, Forbes

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This