A destruição de Hiroshima e Nagasaki pela bomba atómica – 6 de Agosto de 1945

6 Agosto 2022

A 6 de Agosto de 1945 (no fim da II Guerra Mundial) a cidade de Hiroshima (Japão) foi completamente arrasada pela deflagração da bomba atómica lançada por um avião B-29 da Força Aérea dos Estados Unidos. Foi a primeira vez que se utilizou uma arma nuclear contra a população civil. A segunda vez foi três dias depois, a 9 de Agosto, com o bombardeamento de Nagasaki. Recorde-se que Hiroshima e Nagasaki «por acaso» eram as duas cidades com maior população católica no Japão…

Praticamente no fim da II Guerra Mundial, a aviação americana lançou sobre a cidade de Hiroshima, no Japão, a bomba atómica «Little Boy», de urânio, que provocou a morte de 140 mil pessoas, mais de 70 mil feridos e a consequente destruição de grande parte da cidade. Três dias depois, a mesma aviação lançou nova bomba nuclear de plutónio, «Fat Man», sobre a cidade de Nagasaki. Essa bomba destruiu a catedral da Imaculada Conceição, matando muitos católicos que ali estavam a rezar.

Nunca antes se tinham usado armas nucleares contra alvos civis.

Nesse terrível cenário, ocorreu um facto surpreendente, que passou a ser conhecido como o «Milagre de Hiroshima»: quatro sacerdotes jesuítas alemães sobreviveram à catástrofe, inclusive aos seus efeitos, apesar de estarem perto do local onde a bomba deflagrou.

Esses religiosos eram os padres Hugo Lassalle (Superior dos Jesuítas no Japão), Hubert Schiffer, Wilhelm Kleinsorge e Hubert Cieslik. No momento da explosão, eles encontravam-se na casa paroquial da igreja de Nossa Senhora da Assunção, um dos poucos edifícios que resistiu à explosão. Um dos sacerdotes estava a celebrar a Santa Missa, outro tomava o pequeno almoço e os demais encontravam-se em dependências da paróquia.

O edifício religioso sofreu apenas danos menores, como vidros quebrados, conforme escreveu o Pe. Hubert Cieslik no seu diário, mas nenhum dano provocado pela devastadora onda de choque da bomba atómica. O Pe. Schiffer escreveria depois o livro «O Rosário de Hiroshima», no qual narra tudo o que lhes sucedeu naqueles dias trágicos.

Os religiosos atribuem a sua preservação a uma protecção particular da Santíssima Virgem, pois «vivíamos a mensagem de Fátima e rezávamos juntos o Rosário todos os dias».

Quando, mais tarde, esses jesuítas receberam tratamento médico, foi-lhes dito que teriam lesões graves, doenças e também morte prematura em decorrência da radiação nuclear. Contra todas as expectativas, porém, tal não sucedeu. Nenhum deles padeceu de qualquer transtorno físico provocado pela radiação.

Luís de Magalhães Taveiro

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

AUTÊNTICO SENTIDO DA GRANDEZA LUSA

AUTÊNTICO SENTIDO DA GRANDEZA LUSA

Vale a pena reler e reflectir sobre o manifesto do Centro Cultural Reconquista em defesa do Ultramar Português, publicado apenas dois meses antes do nefasto golpe de 25 de Abril de 1974. Precisamente há 50 anos…

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This