25 anos sobre a amnistia à organização terrorista «FP-25»

3 Março 2021


Decorreu no passado dia 1 de Março o 25º aniversário sobre a insólita amnistia concedida ao grupo terrorista conhecido como «FP 25» («Forças Populares 25 de Abril»). «Foi uma profunda injustiça», conforme declarou o filho de uma das vítimas dos terroristas, Manuel Castelo-Branco, em entrevista concedida à SIC Notícias. E em artigo escrito para o «Observador» acrescenta:

«Na verdade, se fizermos uma comparação entre as várias organizações terroristas de outros países, no rácio de assassinatos por milhão de habitantes, as FP-25 de Abril estariam claramente na liderança desse campeonato, ao lado das Brigadas Vermelhas, GRAPO ou Baader-Meinhof e não muito distante de grupos terrivelmente mortíferos como a ETA e o IRA. As FP-25 de Abril não foram um fenómeno passageiro nem lateral na sociedade da década de 80. A sua intimidação foi sentida em todo o País, de Norte a Sul, em todas as classes sociais e sectores de actividade.»

Durante o período da sua detenção, os terroristas beneficiaram da abusiva interferência do Presidente Mário Soares no processo judicial que competia exclusivamente aos Tribunais. As vítimas nunca foram lembradas nem moralmente amparadas, as indemnizações que receberam foram parcas e concedidas de má-vontade, os terroristas foram libertados e o assunto caiu no esquecimento.

O Dr. Gaspar Castelo-Branco, Director-Geral dos Serviços Prisionais, foi cobardemente assassinado à saída de casa com dois tiros na nuca, por vingança de se recusar a reconhecer aos terroristas detidos o estatuto de «presos políticos». Nenhuma figura destacada do Estado esteve no seu funeral e só 30 anos após a sua morte foi «homenageado» pelo Estado Português.

Esta é a natureza da nossa «democracia»…

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This