14 de Julho: Mito e mentira por detrás do Dia Nacional da França

14 Julho 2022

Paris, 14 de Julho de 1789: Tomada da Bastilha. A Revolução Francesa deu tal relevo a esta arruaça, que a data passou a ser o Dia Nacional da França (Ilustração: Biblioteca Nacional da França)

Como é sabido, o 14 de Julho é o Dia Nacional da França. Trata-se da data em que os arruaceiros republicanos da Revolução Francesa tomaram a fortaleza da Bastilha (em 1789) por eles considerada um símbolo odioso da Monarquia e do Poder Real. A realidade, porém, é completamente diferente, conforme nos revela o historiador Armando Alexandre dos Santos (*):

«A propaganda revolucionária, habilmente conduzida, exagerou muito certos pontos fracos do Ancien Régime e mentiu deslavadamente em outros. Por exemplo, transformou a Bastilha  –  em cujas masmorras gemeriam centenas de pobres infelizes aprisionados por arbitrárias ordens que o soberano expedia nas suas famosas lettres de cachet – um símbolo da alegada prepotência e tirania do rei.

«Na realidade, a Bastilha era uma velha fortaleza parisiense transformada em prisão de Estado, onde cumpriam pena presos de categoria elevada. Quando da sua tomada violenta, a 14 de Julho de 1789, estavam aprisionadas apenas 7 pessoas

«As tais lettres de cachet eram cartas expedidas pelo Rei, muitas vezes a pedido das famílias dos detentos, para lhes assegurar um aprisionamento discreto, não escandaloso, numa prisão real e não em cárcere comum. Os prisioneiros frequentemente levavam para a Bastilha os seus criados, a sua mobília, os seus livros e tinham vida muito confortável. Noutras palavras, era um privilégio ser preso na Bastilha.»

(*) Armando Alexandre dos Santos, “Parlamentarismo, sim!  Mas à brasileira: com Monarca e com Poder Moderador eficaz e paternal”, Artpress – Indústria Gráfica e Editora Ltda., São Paulo, 1992

IPEC - Telegram

Ultimos artigos

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

25 de Abril, 50 anos depois: Meio século de ataques à Família e à Ordem Cristã

A «liberdade» e a «democracia», tão proclamadas no 25 de Abril de 1974, foram rapidamente engolidas pelas forças da esquerda. O «contra-golpe» do 25 de Novembro impediu que o Partido Comunista tomasse conta do Poder, mas não foi senão um recuo estratégico da Revolução para entregar os destinos do País ao socialismo e aos seus aliados da social-democracia. Portugal entrou então em lenta agonia e a Família — célula mater de toda a sociedade — foi a mas atacada de todas as instituições, conforme descreve este Manifesto.

Biblioteca

O Regicídio de 1908
O Regicídio de 1908

Este livro é obra do Professor catedrático de Coimbra, Doutor Aníbal Pinto de Castro, tendo forte conteúdo  evocativo e rara beleza literária....

Share This